Jogos de pôquer

SEÇÕES

Caso Wesley: “Familiares não falaram sobre o profeta”, informa Luccy Keiko

De acordo com o delegado, no início das investigações a família chegou a dizer em depoimento para a polícia, que o menino tinha sido morto após ter caído em um poço.

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Odelegado geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, falou em entrevista ao programa Bom Dia Jogos de pôquer na manhã desta quarta-feira, 23 de fevereiro, sobre o caso do bebê Wesley Carvalho Ferreira, de 1 ano e 10 meses, que foi morto após ter sido queimado durante um ritual realizado pela família a mando de um suposto profeta na zona rural de Teresina. 

De acordo com o delegado, no início das investigações a família chegou a dizer em depoimento para a polícia, que o menino tinha sido morto após ter caído em um poço. “Desde a narrativa inicial você percebia claramente que essa versão não se sustentava e a partir daí começaram as informações conflitantes por parte desses familiares, do pai, da mãe, dos avós paternos. A mãe da criança chegou até indicar o local onde supostamente essa criança teria caído em um poço levando o Corpo de Bombeiros a fazer uma escavação no local”, informou.

Leia Mais

Wesley Carvalho foi morto após ter sido queimado durante ritual - Foto: Reprodução

Luccy Keiko disse ainda que só depois da prisão dos acusados, os envolvidos começaram a dar depoimentos semelhantes sobre o caso. “Quando nós percebemos realmente que estavam mentindo o tempo todo, tentando atrapalhar o trabalho da polícia, nós resolvemos logo partir para as prisões e ainda no final de semana nós representamos pela prisões temporárias que teve o parecer favorável pelo Ministério Público e foram decretadas pelo juiz da Central de Inquéritos, cumprimos esses mandados na segunda e a partir dessas prisões o pai e a mãe começaram a apresentar versões mais semelhantes entre um e outro e falaram sobre esse jejum de quase 14 dias que a criança teria falecido. Eles informaram que resolveram cremá-la, levando até os fundos da residência. Colocaram uns galhos de árvore e botaram a criança em cima e cremaram”, disse. 

Ainda nas oitivas eles não mencionaram essa questão de outras pessoas estarem envolvidas nesse ritual. Em depoimento para a polícia eles não falaram sobre esse suposto profeta, falaram apenas do jejum que a criança teria sido submetida, mas não falaram do profeta. Por isso que nós optamos por pedir a prisão temporária de 30 dias, porque nos sabíamos que iríamos precisar do trabalho da perícia no local. O que a gente tinha de informações iniciais é de que a família frequentava uma determinada igreja na região e começaram a apresentar um comportamento estranho na igreja e simplesmente saíram de forma abrupta. O pastor dessa igreja ainda tentou visitá-los para tentar saber o que estava acontecendo, mas eles se fecharam para essa igreja”, relatou.

O delegado geral informou ainda que será um trabalho complexo o processo de tentar encontrar os vestígios do corpo do bebê. “O pai da criança levou os policiais até o local onde teria supostamente cremado, lá os policiais verificaram vestígios de cinzas, nós mandamos ontem a perícia no local, foi feita uma varredura se havia DNA humano. Essa situação é complexa, nós temos que nos preparar muito bem para a investigação, uma criança tem um corpo bem mais frágil, estava desnutrida, ela foi cremada em dezembro, houve chuva, vários aspectos naturais que podem contribuir para que o local fique inidôneo. Nós estamos nos preparando para que a gente chegue ao final com clareza. A qualquer momento novas prisões podem acontecer nesse caso”, finalizou.

Delegado Luccy Keiko informou que novas prisões sobre o caso podem acontecer - Foto: Reprodução



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site

1234