Jogos de pôquer

SEÇÕES

'Xô, Satanás': manifestantes 'varrem' ruas do bairro após visita de Bolsonaro

O protesto ocorreu na região Oeste de Belo Horizonte onde o ex-presidente participar de um culto evangélico

Registros do protesto | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

No feriado de Nossa Senhora Aparecida, grupos de esquerda se reuniram na região Oeste de Belo Horizonte para o ato "Varrendo o Satanás para fora do Cabana". A manifestação fazia referência à recente visita do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ao bairro, onde participou de um culto na Comunidade Evangélica Graça e Paz, na última sexta-feira (6).

Equipados com desinfetantes e vassouras, os participantes buscavam, de maneira simbólica, limpar as ruas por onde Bolsonaro passou. O evento, que ocorreu pela manhã, foi descrito como festivo e sem incidentes pelo deputado federal Rogério Correia (PT), pré-candidato à prefeitura de Belo Horizonte, que esteve presente.

Leia Mais

O ato, intitulado "Varrendo o Satanás", teve como mote a passagem do ex-presidente pelo Bairro Cabana, e os manifestantes aproveitaram a ocasião para discutir temas como a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos atos golpistas de 8 de janeiro e os programas governamentais "Minha Casa, Minha Vida" e Desenrola.

Rogério Correia aproveitou a oportunidade para informar sobre o andamento da CPMI, anunciando que Bolsonaro seria indiciado e o indiciamento encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O protesto contou com um trio elétrico e momentos de descontração, com o público entoando canções brasileiras conhecidas. Entre os presentes estavam membros do Coletivo Alvorada, Coletivo Flores e Luta, Bloco de Luta Sou Vermelha e Associação de Moradores do Aglomerado Cabana.

Na semana anterior, durante a visita de Bolsonaro ao mesmo bairro, o Coletivo Alvorada espalhou faixas de protesto em viadutos e passarelas da cidade, utilizando termos como "Bolsonaro genocida e fascista" e "Bolsonaro Satanás".

Em contrapartida, na ocasião, manifestantes bolsonaristas se dirigiram à Comunidade Evangélica para demonstrar apoio ao ex-presidente, resultando em momentos de tensão entre os grupos opostos.

O Coletivo Alvorada, fundado em 2016, é financiado pela militância por meio de vaquinhas e caracteriza suas ações como suprapartidárias e em defesa da democracia. Essa não é a primeira vez que o grupo realiza ações desse tipo em resposta às visitas de Bolsonaro, demonstrando um histórico de ativismo político na cidade.

Para mais informações, acesse fcvizela.com



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site