Jogos de pôquer

SEÇÕES

Wassef revela o sujeito oculto que participou da venda das joias dadas a Bolsonaro

Em um depoimento à Polícia Federal, Wassef revelou os bastidores da recompra do Rolex de ouro branco, presente do governo da Arábia Saudita

Intermediário oculto | Montagem/MeioNorte
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Em um depoimento à Polícia Federal (PF), cujo conteúdo foi divulgado pela revista VEJA, Frederick Wassef, advogado do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), revelou os bastidores da recompra do Rolex de ouro branco, presente do governo da Arábia Saudita. O pedido para essa transação teria partido de Fabio Wajngarten, secretário de Comunicação da Presidência no governo anterior e um dos advogados de Bolsonaro no caso das joias.

Fabio Wajngarten, secretário de Comunicação da Presidência no governo Bolsonaro | Foto: Sérgio LimaWassef detalhou o processo de repatriação do relógio, informando que o comprou por 49.000 dólares em uma loja na Pensilvânia, nos Estados Unidos. Posteriormente, ele ficou com o Rolex em Nova York por alguns dias. Segundo Wassef, Wajngarten solicitou que ele embarcasse com o relógio de volta para o Brasil, mas Wassef recusou, argumentando que sendo uma pessoa pública, poderia ser reconhecido. Diante dessa recusa, Wajngarten concordou que um brasileiro, conhecido dele, viajasse com o Rolex dos Estados Unidos para o Brasil.

Intermediário desconhecido

O emissário desconhecido foi o intermediário nesse processo. Wassef afirmou à PF que combinou com Wajngarten a entrega do relógio no estacionamento de uma loja Best Buy em Miami. O encarregado trouxe o bem de volta ao Brasil, entregando-o ao advogado em seu sítio em Atibaia, local onde Fabrício Queiroz, acusado de ser o operador da rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro (PL-RJ), foi preso.

Após alguns dias, Wassef repassou o Rolex a Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, no aeroporto de Congonhas, antes de Cid embarcar para Brasília. Por orientação dos advogados do ex-presidente, o relógio foi destinado ao poder público e agora está sob os cuidados da Caixa Econômica Federal.

As defesas dos envolvidos planejam contestar a tese da PF, que sugere a ocorrência de crime na venda das joias. Argumenta-se que a ausência de uma lei clara sobre qual presente deve ser incorporado ao acervo público pode gerar ambiguidades. Advogados ligados ao caso também indicam a possibilidade de diferenciar as condutas de quem comercializou o Rolex, alegadamente cometendo um crime, daqueles que se esforçaram para recuperá-lo e devolvê-lo ao patrimônio público, isentando-os de punição. Wassef e Wajngarten não quiseram comentar o caso, pois o processo corre em sigilo.

Para mais informações, acesse fcvizela.com

Leia Mais


Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site