Jogos de pôquer

SEÇÕES

PT prepara equipe para combater discurso bolsonarista nas redes sociais

A medida visa diminuir as fake news antiesquerdistas propagadas pelo reduto eleitoral do ex-presidente

Lula busca diminuir o discurso antiesquerdista difundido por bolsonaristas | Reprodução/Internet
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Após uma eleição histórica marcada pela polarização, o Partido dos Trabalhadores (PT) tomou medidas para compreender o intenso bombardeio que tem enfrentado da ultradireita nos últimos anos e começou a preparar seus membros para um contra-ataque na esfera digital. O objetivo é lidar com o volume de ataques, desinformação e teorias da conspiração direcionados à agremiação.

Com ênfase nas regiões Sul e Sudeste, onde o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) obteve melhor desempenho eleitoral, o PT tem promovido seminários com o intuito de explicar aos militantes a origem das correntes de notícias falsas que miram a esquerda, identificar os principais propagadores bolsonaristas desse conteúdo e ensinar aos filiados como refutar tais narrativas. Os materiais utilizados são provenientes de estudos realizados pelos pesquisadores Fernanda Sarkis e Marcus Nogueira.

Leia Mais

Durante a apresentação, os pesquisadores traçam uma linha do tempo das principais correntes de desinformação direcionadas ao PT, destacando os comunicadores ligados ao bolsonarismo e alguns financiadores de think tanks ultraconservadores. Nomes como Eduardo Bolsonaro, Damares Alves, Bia Kicis, Nikolas Ferreira, Ricardo Salles, Gustavo Gayer e Sergio Moro são apontados como expoentes da "bancada da nova direita", que contribuem para amplificar os ataques.

Além disso, Fernanda Sarkis e Nogueira entregaram um relatório à direção do partido, auxiliando-os a compreender a corrente de desinformação bolsonarista contra a esquerda.

Temas de ataque mapeados

De acordo com o estudo, os detratores geralmente tentam associar seus oponentes a temas como corrupção, ideologia de gênero, aborto, drogas, comunismo, impunidade (sob o discurso de que "direitos humanos é defesa de bandido"), perseguição religiosa, violência, doutrinação nas escolas, regulação da mídia, invasão de propriedade e destruição da família.

Segundo os pesquisadores, essa cartilha foi amplamente utilizada pelos bolsonaristas nas redes sociais durante a campanha presidencial de 2022. Uma das teses que mais mobilizou os evangélicos, por exemplo, foi a ideia de que o PT fecharia templos e perseguiria líderes religiosos caso retornasse ao poder, embora isso nunca tenha ocorrido durante os 13 anos.

Os doze temas abordam uma ampla gama de teorias da conspiração e fatos que fornecem munição para as publicações dos bolsonaristas na internet. A ideia do PT é utilizar o relatório para construir uma contranarrativa e se proteger nas redes sociais, além de identificar os articuladores das ideias da direita.

"Os bolsonaristas têm a narrativa deles. A gente tem que ter a nossa, e dar sentido para a militância se engajar digitalmente nesse contra-ataque", diz Jilmar Tatto, deputado federal e secretário de comunicação do partido.

Críticas à comunicação

Segundo aliados de Lula, o problema é que o presidente se recusa a "a fazer essas coisas que o Bolsonaro fazia", como transmissões ao vivo em ambientes informais e improvisados, que são mais adequadas à linguagem jovem. Lula começou a entrar nesse jogo de forma tímida. Na última segunda-feira, fez sua segunda transmissão ao vivo no Palácio da Alvorada, adotando um formato similar aos populares "mesacasts".

Enquanto os comunicadores de esquerda defendem a necessidade de rejuvenescer a comunicação e abandonar um pouco as ferramentas tradicionais para enfrentar o bolsonarismo, uma ala do PT é contrária à adoção do "estilo André Janones", em referência ao deputado federal que se tornou um fenômeno de audiência e foi uma arma secreta de Lula na última campanha.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site