Jogos de pôquer

SEÇÕES

Prefeituras dizem que não têm como pagar piso da enfermagem e citam colapso

A Confederação Nacional dos Municípios cita uma situação crítica na prestação de serviços de saúde à população no Brasil.

Enfermeiros protestam por piso em Teresina | Raíssa Morais
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O movimento municipalista liderado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) divulgou nota no último final de semana em que reitera o compromisso de tornar o piso algo efetivamente executável. No entanto, de acordo com a publicação, a medida atual não é suficiente para cobrir o piso dos profissionais que atuam nos Municípios, é destinada apenas aos profissionais da atenção especializada, não traz regulamentação sobre a forma de distribuição e transferência e é destinado somente para 2023, não sendo permanente para uma despesa continuada.

A CNM estima que o impacto do piso aos Municípios será de R$ 10,5 bilhões neste ano, mas a Lei 14.581/2023 destinou R$ 3,3 bilhões aos Entes locais, sendo segundo a entidade, a esfera municipal a que mais absorve o impacto financeiro com a instituição do piso. Os Municípios possuem mais de 589 mil postos de trabalho da enfermagem e, de acordo com a CNM, com a vigência da medida, correm o risco de reduzir 11.849 equipes de atenção básica, desligar mais de 32,5 mil profissionais da enfermagem e, consequentemente, desassistir quase 35 milhões de brasileiros.

Leia Mais

A Confederação ainda aponta que mais de 1,8 mil Santas Casas também sofrem impacto com o piso, com prejuízos de R$ 6,3 bilhões, segundo a entidade que os representa. As Prefeituras alegam também que aproximadamente 70% das ocupações de enfermagem podem sofrer reajustes salariais decorrentes do piso, gerando um impacto anual sobre o setor público e privado, considerando os encargos patronais, de até R$ 24,3 bilhões.

O pagamento do piso salarial continua suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que apontou para os riscos à solvabilidade das finanças de Estados e Municípios, cenário este mantido após a sanção da medida. A CNM vai solicitar novamente que a Corte mantenha a suspensão da efetividade legal do piso até que haja fontes definitivas e sustentáveis de financiamento do piso.

A CNM orienta os Municípios a aguardarem a definição do piso pela Corte e pediu a mobilização dos gestores junto a deputados e senadores para garantir a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 25/2022, que adiciona ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) mais 1,5%, medida permanente e que aporta recursos financeiros que poderão ser aplicados para o cumprimento do piso.

Aentidade municipalista cita uma situação crítica na prestação de serviços de saúde à população no Brasil, pontuando desafios no atendimento da atenção primária, baixa taxa de cobertura vacinal, falta de médicos e medicamentos, e demandas reprimidas em decorrência da pandemia de Covid-19, que requerem mais de R$ 17 bilhões em investimentos apenas para os Municípios. A CNM aponta que a saúde está colapsada e pode piorar. 



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site