Jogos de pôquer

SEÇÕES

Ministro Barroso é eleito presidente do Supremo Tribunal Federal; perfil

O mandato é de dois anos e ainda não há data para a posse. O vice-presidente do tribunal será o ministro Edson Fachin.

Ministro Barroso é eleito presidente do Supremo Tribunal Federal | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Na quarta-feira, 9 de agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) escolheu o ministro Luis Roberto Barroso como o próximo presidente da instituição. Ele ocupará o cargo por um período de dois anos. A cerimônia de posse ainda não foi agendada. O ministro Edson Fachin foi eleito para a posição de vice-presidente do tribunal.

A transição na liderança do STF ocorre seguindo a ordem de antiguidade. Os ministros selecionam o membro mais antigo do tribunal que não tenha ocupado a Presidência recentemente. O segundo na lista de antiguidade, pelo mesmo critério, assume o papel de vice-presidente.

O mandato da atual presidente, Rosa Weber, chegará ao fim em 2 de outubro, data em que a ministra atingirá a idade de 75 anos e será obrigada a se aposentar conforme as regras. Ela deve deixar seu cargo na Corte até o final de setembro.

Com 65 anos de idade, Barroso ingressou no Supremo Tribunal Federal em 2013, sendo nomeado pela ex-presidente Dilma Rousseff.

Nascido em Vassouras (RJ), o ministro é detentor de um título de doutorado em Direito Público da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), onde também é professor titular de Direito Constitucional. Ele realizou seu mestrado na Universidade de Yale (EUA), doutorado na Uerj e pós-doutorado na Universidade de Harvard (EUA). Além disso, desempenhou a função de professor visitante nas Universidades de Poitiers (França), Breslávia (Polônia) e Brasília (UnB).

Barroso é um autor prolífico, tendo escrito diversos livros sobre Direito Constitucional, e é também autor de inúmeros artigos publicados em revistas especializadas tanto no Brasil quanto no exterior. O ministro trilhou uma trajetória como advogado e também ocupou o cargo de procurador do estado do Rio de Janeiro.

Durante sua carreira como advogado, Barroso teve participação em casos de grande relevância no Supremo Tribunal Federal, incluindo a defesa da autorização de pesquisas envolvendo células-tronco embrionárias, a proibição do nepotismo no Poder Judiciário, o suporte à legalização das uniões homoafetivas e a defesa do direito da gestante de interromper a gravidez em situações de anencefalia do feto.

Ao longo de dez anos no STF, o ministro foi relator de processos de grande repercussão. Entre eles, a análise de recursos do mensalão, a ação que trata da invasão e fixou restrições para acesso de terras indígenas, a que suspendeu despejos e desocupações em áreas urbanas e rurais em razão da covid-19 e a manutenção das regras da Reforma da Previdência de 2019 e das normas que disciplinam a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) devido nas operações interestaduais destinadas a consumidor final não contribuinte do tributário.

Pela primeira vez na história do STF, Barroso ainda foi autor de um voto conjunto com o ministro Gilmar Mendes que restabeleceu o piso salarial nacional para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras, mas ressaltou que os valores devem ser pagos por estados, municípios e autarquias somente nos limites dos recursos repassados pela União. Já no caso dos profissionais da iniciativa privada, o ministro previu a possibilidade de negociação coletiva.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site