Jogos de pôquer

SEÇÕES

Lula destaca função do Brasil de alertar produtores sobre fim dos combustíveis fósseis

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, neste sábado (2).

Lula participa de reunião da Opep +, em Dubai | Presidência da República
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Opresidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, neste sábado (2), que o Brasil irá ingressar na Opep+ como observador, com o propósito de persuadir os países produtores de petróleo a se prepararem para a transição para fontes de energia mais sustentáveis. A Opep+ engloba os principais produtores de petróleo, incluindo aliados como a Rússia

Lula destacou que a participação do Brasil será semelhante à sua presença no G7, onde ele escuta as discussões, mas não tem poder de decisão. Para o presidente, é importante envolver os países produtores de petróleo na transição para combustíveis renováveis, especialmente o hidrogênio verde. Ele enfatizou a necessidade de utilizar os lucros obtidos com o petróleo para investir em alternativas sustentáveis, permitindo que regiões como a África e a América Latina possam desenvolver fontes de energia renovável.

"A Opep+ acho importante a gente participar, porque a gente precisa convercer os países que produzem petróleo que eles precisam se preparar para o fim dos combustíveis fósseis, e se preparar significa aproveitar o dinheiro que eles lucram para fazer investimento para que os continentes como o africano e a América Latina possam produzir os combustíveis renováveis que eles precisam, sobretudo o hidrogênio verde. Porque se a gente não criar alternativa, a gente não vai poder dizer que vai acabar com os combustíveis fósseis", afirmou Lula neste sábado (2).

Antes do pronunciamento de Lula, o presidente-executivo da Petrobras, Jean Paul Prates, esclareceu que o Brasil atuará na Opep+ como um colaborador e observador, sem participar das cotas de produção. Ele afirmou que a Petrobras não aceitaria cotas para o Brasil, destacando a abertura da empresa no mercado e sua impossibilidade de ser submetida a limites de produção.

"Eles chamam outros países que não têm direito a voto, e não são impostas cotas a esses países. Jamais participaríamos de uma entidade que estabelecesse cota para o Brasil, ainda mais com o apoio da Petrobras, que é uma empresa aberta no mercado e não pode ter cota", afirmou o executivo.

Oministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, confirmou a cooperação do Brasil com a Opep+ a partir de janeiro de 2024, e uma equipe técnica do governo está analisando o convite recebido. O presidente da Petrobras destacou que o Brasil tomará uma decisão em junho do próximo ano, durante uma reunião em Viena, para se tornar oficialmente um membro observador na Opep+.

A resistência do Brasil em aderir às cotas da Opep+ é atribuída, em grande parte, aos interesses da Petrobras em aumentar a extração de petróleo no país para atender à demanda interna e às receitas provenientes das exportações de petróleo. O Brasil, como o maior produtor de petróleo na América do Sul, possui uma produção significativa, alcançando 4,66 milhões de barris de óleo equivalente por dia em setembro.

A Opep+ coordena as políticas de produção e exportação de petróleo entre os países membros para influenciar os preços no mercado global. As decisões sobre a quantidade de petróleo a ser produzida são determinadas por cotas, o que pode afetar os preços conforme a oferta e demanda globais variam. O Brasil, ao optar por participar como observador, busca evitar restrições à sua produção de petróleo imposta por cotas.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site