Jogos de pôquer

SEÇÕES

General Augusto Heleno será ouvido na CPMI do 8 de janeiro na terça, dia 26

O requerimento para depoimento do general Augusto Heleno foi da senadora Ana Paula Lobato (PSB-MA).

General Augusto Heleno | Alan Santos/Presidência da República
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

ACPMI do 8 de janeiro agendou uma reunião para próxima terça-feira, 26, onde será ouvido, às 9h, o general Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do governo Bolsonaro. Asenadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da comissão, destaca que o depoimento do general trará informações valiosas para as futuras atividades da comissão.

A senadora Ana Paula Lobato (PSB-MA), autora de um dos requerimentos de convocação (REQ 272/2023), argumenta que a presença do ex-ministro da Segurança Institucional é crucial para a fase de instrução e para as futuras investigações. Ela salienta a importância de esclarecimentos sobre o envolvimento do depoente nos eventos relacionados à tentativa de golpe ocorrida em 8 de janeiro de 2023, entre outros aspectos.

Além disso, os deputados Rubens Pereira Júnior (PT-MA) e Rogério Correia (PT-MG) apresentaram um requerimento de convocação do ex-ministro do GSI (REQ 223/2023). Eles citam uma investigação da Agência Pública que revelou que o GSI, então chefiado pelo general Augusto Heleno, recebeu diversas pessoas envolvidas nos eventos, incluindo um dos golpistas presos após a invasão às sedes dos Três Poderes, no período de 1º de novembro a 31 de dezembro de 2022.

Outros senadores e deputados também propuseram requerimentos para a convocação do general, todos visando esclarecimentos importantes para as atividades da CPMI.

Areunião presidida pelo deputado Arthur Maia (União-BA)terá uma parte deliberativa, onde será tentada a votação dos requerimentos de convocação em bloco com base em possíveis acordos. Maia confirmou que não está incluído entre os requerimentos o chamado para o ex-presidente Jair Bolsonaro. Ele reconhece a dificuldade em ouvir todas as convocações propostas e menciona a necessidade de seleção para garantir uma abordagem equitativa.

A relatora Eliziane Gamaexpressou sua preocupação com a possível não aprovação da acareação proposta por ela entre o ex-presidente Bolsonaro e seu ex-ajudante de ordens Mauro Cid, classificando como lamentável essa eventual situação. Ela reiterou que a decisão sobre a votação dos requerimentos é prerrogativa do presidente Arthur Maia e destacou que a CPMI permanece atenta a novas denúncias e possibilidades de delação, podendo solicitar o indiciamento de pessoas mesmo que não compareçam à comissão.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site