Jogos de pôquer

SEÇÕES

“Lula quer ser absolvido na Justiça”, afirma Haddad sobre indulto

O candidato foi sabatinado pelo Uol, Folha e SBT hoje.

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Ocandidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, não confirmou nem descartou, nesta segunda-feira (17), a possibilidade de conceder indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) caso seja eleito em outubro. Haddad é o último presidenciável a participar de sabatina promovida pelo UOL, em parceria com a Folha e o SBT.

Lula está preso desde abril deste ano em Curitiba, após ser condenado na operação Lava Jato no caso do tríplex do Guarujá (SP). Para o PT, o ex-presidente é vítima de uma perseguição do Judiciário com a finalidade de excluí-lo do processo eleitoral.

O candidato destacou que a hipótese de indulto a Lula, cogitada pela imprensa durante a campanha, chegou ao conhecimento do ex-presidente e que ele escreveu uma carta sobre o tema.

Segundo Haddad, Lula diz que não troca sua "dignidade pela liberdade" e que quer que os tribunais superiores o absolvam. "Acredito que ele vai ter justiça, que vai ser absolvido, inclusive porque isso não está mais apenas no âmbito nacional, mas internacional", afirmou Haddad, referindo-se à demanda apresentada pelo PT à ONU (Organização das Nações Unidas) sobre o caso.

Questionado sobre a possibilidade de Lula não ser absolvido por tribunais superiores após a eleição, Haddad alegou não gostar "de trabalhar com hipóteses nas quais não acredito". Questionado novamente indagado sobre a possibilidade de indulto, o candidato criticou o processo contra Lula. "Li o processo [do tríplex], a acusação, a sentença e o acordão e quero dizer aquele processo não tem sustentação. Não é Haddad dizendo, mas centenas de juristas que se debruçaram sobre o processo”, declarou.

Ainda sobre Lula, Haddad se referiu ao ex-presidente como "o maior presidente da história do Brasil" e "grande estadista" e atribuiu à suposta tentativa de se "criarem falsos antagonismos" as dúvidas sobre quem de fato governaria em seu eventual mandato.

"Considero ele um grande conselheiro e terá [em um eventual governo] um papel destacado em aconselhamento", disse. Caso vença o pleito, o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da educação de Lula admitiu que manterá a agenda de visitas a Lula na prisão. “Jamais dispensaria a experiência do presidente Lula. Ele será meu interlocutor permanente, é uma pessoa que admiro profundamente e vítima de uma injustiça será reparada o quanto antes”.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site