Jogos de pôquer

SEÇÕES

BC afirma que pode haver queda na taxa Selic a partir de agosto

Desde agosto de 2022, a taxa básica de juros está cristalizada em 13,75%

Integrantes do Copom querem taxas de acordo com a realidade do mercado | Reprodução/Internet
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Na contramão da pressão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o Banco Central (BC) afirmou que vai manter a taxa básica de juros (Selic), em 13,75 % ao ano, "até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas". O texto sinaliza que a porcentagem pode sofrer alterações a partir da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em agosto.

O BC, comandado por Roberto Campos Neto - indicação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) -, divulgou a ata do Copom na manhã desta terça-feira (27). Nela, ele reiterou que a Selic permanece cristalizada em 13,75%, mesmo com a inflação em queda e o Produto Interno Bruto (PIB) em linha de crescimento, além dos constantes pedidos do governo petista e da bancada governista pela redução do número.

Leia Mais

No texto, a instituição financeira diz que há chances de cortes na taxa de juros, mas isso aconteceria só a partir de agosto, quando a equipe de economistas e empresários voltam a se reunir.

"A avaliação predominante foi de que a continuação do processo desinflacionário em curso, com consequente impacto sobre as expectativas, pode permitir acumular a confiança necessária para iniciar um processo parcimonioso de inflexão na próxima reunião". Nas últimas semanas, o mercado e analistas apostaram que a Selic teria baixa.

O Copom afirmou que "a conjuntura demanda paciência e serenidade na condução da política monetária" e que os próximos passos dependem da evolução da dinâmica inflacionária. A decisão em manter os juros em 13,75% ao ano persiste desde agosto de 2022.

Com a manutenção da taxa de juros, 51 integrantes do conselho se posicionaram contra a decisão de Campos Neto e publicaram uma carta aberta a favor da redução das taxas: "É urgente uma política monetária adequada", declararam. Dentre os que querem uma política monetária ideal ao mercado e ao bolso brasileiro, estão: Josué Gomes, a empresária Luiza Trajano e o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sergio Nobre.

"A conjuntura atual, caracterizada por um estágio do processo desinflacionário que tende a ser mais lento e por expectativas de inflação desancoradas, segue demandando cautela e parcimônia. O Copom conduzirá a política monetária necessária para o cumprimento das metas e avalia que a estratégia de manutenção da taxa básica de juros por período prolongado tem se mostrado adequada para assegurar a convergência da inflação", declara um trecho da ata do Copom.

Selic nas últimas dez reuniões

  1. 21 de junho de 2023: 13,75% ao ano
  2. 03 de maio de 2023: 13,75% ao ano
  3. 22 de março de 2023: 13,75% ao ano
  4. 01 de fevereiro de 2023: 13,75% ao ano
  5. 07 de dezembro de 2022: 13,75% ao ano
  6. 26 de outubro de 2022: 13,75% ao ano
  7. 21 de setembro de 2022: 13,75% ao ano
  8. 03 de agosto de 2022: 13,75% ao ano
  9. 15 de junho de 2022: 13,25% ao ano
  10. 04 de maio de 2022: 12,75% ao ano


Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site