Jogos de pôquer

SEÇÕES

ANPR protocola recurso contra decisão de Toffoli que anulou provas da Lava Jato

O ministro do STF vetou os indícios da operação e disse que prisão de Lula foi 'erro histórico'

Dias Toffoli e Lula (PT) | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Nesta segunda-feira (11), a Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) apresentou um recurso contra a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que anulou todas as provas relacionadas às delações da Odebrecht na Operação Lava Jato.

A ANPR, uma entidade que representa procuradores e juízes, alega que o magistrado "extrapolou" os limites de suas competências legais. A decisão de Toffoli, que teve um impacto significativo nas ações da Lava Jato, também incluiu a declaração de que a prisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no âmbito da operação liderada pelo ex-juiz e agora senador, Sérgio Moro (União Brasil-PR), foi um "erro histórico".

Leia Mais

A decisão de Toffoli atendeu a um pedido da defesa de Lula e determinou que a 13ª Vara Federal de Curitiba e o Ministério Público Federal do Paraná compartilhem todo o conteúdo relacionado ao Acordo de Leniência da Odebrecht com os advogados do ex-presidente. Caso isso não seja cumprido, eles poderão ser acusados do crime de desobediência, conforme estabelecido no artigo 330 do Código Penal.

A ANPR argumenta que a medida tomada por Toffoli deveria se concentrar no objeto da reclamação da defesa de Lula, ou seja, o acesso a elementos de prova que pudessem sustentar o arquivamento da ação penal contra o ex-presidente.

No recurso apresentado ao STF, a associação destaca que "os acordos de colaboração premiada celebrados com diretores e empregados da Odebrecht, que também se basearam em provas obtidas dos sistemas da empresa e fornecidas voluntariamente, foram firmados pela Procuradoria-Geral da República e homologados pelo próprio Supremo Tribunal Federal, que, na época, reconheceu sua validade".

Acordo de Leniência

A ANPR também ressalta que "os membros do MPF já foram sujeitos a escrutínio na esfera disciplinar, com a Corregedoria-Geral do MPF concluindo que os atos relacionados à celebração do Acordo de Leniência com a Odebrecht não violaram nenhuma norma vigente".

O acordo anulado por Toffoli havia resultado no pagamento de R$ 3,8 bilhões pela empreiteira ao MPF, ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos e à procuradoria-geral da Suíça.

Além disso, na sua decisão, o ministro Toffoli caracterizou a prisão de Lula como um "erro histórico" do Judiciário e apontou que "certos agentes públicos" que buscavam "conquistar o Estado" agiram através de desvios de função e conluio para atingir instituições, autoridades e empresas específicas do país.

O presidente da ANPR, Ubiratan Cazetta, destacou que a decisão de Toffoli deve ser interpretada como algo que não se enquadra em uma decisão judicial convencional. Ele afirmou que a responsabilidade de investigar a conduta disciplinar de membros do Judiciário e do MPF recai sobre essas instituições, não podendo ser realizada por terceiros.

Para mais informações, acesse fcvizela.com



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site