Jogos de pôquer

SEÇÕES

Sara Mariano: Sogra disse que filho mataria cantora se ela terminasse casamento

Sara foi encontrada carbonizada na sexta-feira (27) em Dias d’Ávila (BA), e o acusado preso no sábado (28) após confessar o crime.

Sara Mariano: Sogra disse que filho mataria cantora se ela terminasse casamento | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

A sogra da cantora gospel Sara Freitas Sousa Mariano, assassinada pelo próprio marido, o pastor Ederlan Santos Mariano, havia aconselhado a vítima a não terminar o casamento, porque o filho iria matá-la. Sara foi encontrada carbonizada na sexta-feira (27) em Dias d’Ávila (BA), e o acusado preso no sábado (28) após confessar o crime. 

Leia Mais

Em conversa com a própria mãe do acusado, Sara comentou que estava pensando em se separar de Ederlan e que não havia outra alternativa. O advogado Marcus Rodrigues, que representa a família da cantora, deu novos detalhes sobre as violências que eram impostas à vítima, e reforçou o medo que ela tinha de pedir a separação.

"Em conversa com a própria mãe do acusado, ela disse que estava pensando em se separar, porque não via mais outra alternativa. A mãe [de Ederlan] falou: 'não separe, que se você separar ele vai te matar'. Então assim, ela tinha três medos com a separação: o afastamento do lar, ser julgada por causa da religião e de perder a vida", disse Marcus à imprensa.

No último sábado (28), o advogado já havia se posicionado sobre a forma violenta de Ederlan agir com a esposa. A defesa ainda mencionou que o homem também estuprava Sara. A ameaça de morte caso pedisse a separação também foi revelada por Sara à irmã, Soraya Correia.

Sogra disse que filho mataria cantora se ela terminasse casamento | FOTO: Redes Sociais

"Era um relacionamento tóxico, em que ele agredia ela, não somente verbalmente, como fisicamente também. Ele bebia muito, chegava em casa agredindo, forçava a Sara a ter relações sexuais, e isso acabou nesse fato criminoso", analisou Marcus.

Segundo Soraya Correia, Ederlan agredia Sara constantemente e, em uma das vezes, ela chegou a se trancar no quarto com a filha do casal, uma criança de 11 anos. Em seu podcast na TV Shalom, o acusado insinuou uma tolerância à violência contra a mulher.

"Ela estava com medo dele, dizia que ele era agressivo. Ele ameaçava de morte. Ela chegou a dizer algumas vezes que ia denunciar, e ele disse que ela podia até denunciar, mas no dia que ele saísse de lá, ia acabar com a raça dela. Ele fazia uma quebradeira dentro de casa. Um dia, ela se trancou dentro do quarto com a criança. Tenho provas, tenho uns áudios em que minha irmã contava", destacou Soraya.

Assassino de pastora insinua violência contra a mulher | FOTO: Reprodução

EM PODCAST, EDERLAN MARIANO INSINUA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

O pastor Ederlan Santos Mariano, preso após confessar ter assassinado a própria esposa, insinuou em seu podcast, na TV Shalom, uma tolerância à violência contra a mulher.  Ele inicia a discussão perguntando o que a entrevistada aconselharia as vítimas de agressões. Em seguida, ele responde: “Vai para o joelho”.

“A senhora aconselharia as mulheres que estão assistindo esse podcast, que se alguma dessa o marido bater, xingar, botar dedo na cara, ameaçar, espancar ela, não deixa ela sair de casa e amarrar ela. A senhora aconselha ela o quê? Vai para o joelho, minha filha”, indaga Ederlan Mariano.

Em contrapartida, a missionária Carla Souza afirma que se ela fosse vítima de violência doméstica, não pensaria duas vezes e acionaria a Polícia Militar para que levasse o marido. Em cima de sua fala, Ederlan acrescenta: “Mas, se chamar o pastor, e o pastor disse que é melhor orar?”, e a missionária reage. 



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site