Jogos de pôquer

SEÇÕES

Professora depende de aluno que beijou para não responder criminalmente, diz delegado

A professora enviou mensagens a uma aluna revelando que havia beijado um aluno do 9º ano do Ensino Fundamental

Professora depende de aluno que beijou para não ser incriminada | Reprodução/Tv Globo
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

A professora de artes que foi demitida depois debeijar um aluno de 14 anos em uma escola de Praia Grande, litoral de São Paulo, só responderá criminalmente se o estudante afirmar à Polícia Civil que foi coagido, ameaçado ou tenha sofrido algum tipo de violência. A informação foi confirmada pelo delegado Rodrigo Martins Lotti, responsável pelo caso.

A docente, que atuava na Escola Municipal Vereador Felipe Avelino Moraes, foi desligada de suas funções. A situação foi reportada à administração pela mãe de uma estudante. A aluna recebeu mensagens da professora revelando que havia beijado um aluno do 9º ano do Ensino Fundamental.

A mãe da adolescente tomou posse do celular da filha ao notar alterações em seu comportamento. Ao abrir a conversa no WhatsApp com a professora, deparou-se com mensagens que detalhavam a relação com o estudante, expressavam o desejo de "transar com ele" e incluíam um convite à filha para fumar.

Leia Mais

O delegado detalhou à reportagem que as investigações foram segmentadas em duas partes: o ato da professora ao beijar o aluno e as agressões contra o estudante que, equivocadamente, os adolescentes pensaram ter denunciado a educadora à direção. O rapaz é o melhor amigo da aluna que trocava mensagens com a docente.

Apesar de não ter sido registrado um Boletim de Ocorrência (BO) contra a professora até o momento, o delegado Iotti ressaltou que, uma vez que o caso chegou ao conhecimento da Polícia Civil, a conduta da professora será objeto de investigação. O único registro existente refere-se às ameaças e agressões dirigidas ao adolescente agredido e à sua amiga.

Conforme relatado pelo delegado, a Polícia Civil já entrou em contato com a Secretaria de Educação (Seduc) e aguarda informações sobre como a escola conduziu o caso e quem são os indivíduos envolvidos. Nesse sentido, a professora, o aluno que foi beijado e seus pais serão intimados a prestar esclarecimentos na próxima semana.

Devido à idade do estudante, que é superior a 14 anos, o depoimento dele e as investigações determinarão se há indícios de assédio sexual. Caso o adolescente tivesse um ano a menos, a professora seria passível de acusações relacionadas ao estupro de vulnerável.

“O legislador brasileiro optou pelo entendimento de que a pessoa com 14 anos já tem um discernimento para decidir a respeito de questões sexuais. Então, a princípio, não há crime. O que a gente vai apurar é se ela se aproveitando da condição de professora teria obtido a vantagem sexual em troca de algo”, explicou.

Se for verificado que o adolescente consentiu, o delegado Iotti explicou que a professora pode enfrentar uma ação cível, caso o advogado de uma das partes decida entrar com um processo junto ao Ministério Público (MP).

Quanto às agressões contra o adolescente, um inquérito policial por ameaça e lesão corporal foi iniciado. Posteriormente, o caso será encaminhado ao MP da Infância e da Juventude.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site