Jogos de pôquer

SEÇÕES

Desembargador acusado de trabalho escravo afirma que irá adotar a vítima

Em nota, Jorge Luiz Borba afirma que irá reconhecer judicialmente a mulher como sua filha.

Desembargador Jorge Luiz Borba, acusado de manter mulher em situação de trabalho escravo por 20 anos. | Reprodução - Foto: Divulgação
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Após a investigação feita pela Polícia Federal por uma suspeita de que o desembargador Jorge Luiz Borba, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, estaria mantendo uma mulher deficiente auditiva em condições de trabalho escravo por cerca de 20 anos, o mesmo informou no último domingo (11), em nota, que irá adotar judicialmente a mulher que vivia em sua casa em condições análogas à escravidão. 

Na nota enviada à Folha de S.Paulo, que possui as assinaturas de membros da família do desembargador, como sua esposa e os quatro filhos, ele afirma que pretende ajudar a realizar todas as medidas administrativas e judiciais."Seja para que não permaneçam dúvidas sobre a situação de fato existente em relação à mulher, seja para que as investigações avancem com brevidade a fim de permitir a retomada da convivência familiar", afirma a nota. 

De acordo com informações do Ministério Público Federal (MPF), a mulher em questão, reside na casa de Borba há pelo menos 20 anos e durante esse período não recebia salário e não possuía nenhuma assistência à saúde. Borba explica que ele e sua família foram "surpreendidos pelo difundido sugestionamento" de que poderiam estar submetendo a mulher a situações de trabalho escravo. O desembargador relatou que irá entrar com um pedido judicial para realizar a adoção da mulher, incluindo a garantia de herança.

Leia Mais

Na última terça-feira (06), o desembargador afirmou que ela "sempre recebeu tratamento igual ao dado" aos seus filhos. A denúncia do MPF sobre a investigação aponta que a mulher seria vítima de maus-tratos, em decorrência das condições materiais em que a mesma vivia, e da intolerância por parte dos investigados em prestarem qualquer assistência à saúde. Borba já havia negado as acusações na época do crime e afirmou que a mulher foi acolhida como "um ato de amor".

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA

"Jorge Luiz de Borba, Ana Cristina Gayotto de Borba e seus quatro filhos, Maria Leonor, Maria Alice, Maria Julia e Jorge Luiz, diante da ampla disseminação de notícias sobre operação ocorrida na sua residência, vêm a público esclarecer o seguinte: 

1 - Surpreendidos pelo difundido sugestionamento de que estariam a dispensar tratamento análogo à escravidão a [mulher], pessoa com quem convivem há anos, definitivamente jamais praticaram ou tolerariam que fosse praticada tal conduta deletéria, ainda mais contra quem sempre trataram como membro da família;

2 - Na intenção de regularizarem situação familiar, de fato há muito já existente, anunciam que Jorge e Ana Cristina ingressarão com pedido judicial para reconhecimento da filiação afetiva da [mulher], garantindo-lhe, inclusive, todos os direitos hereditários; 

3 - Acatarão todas as sugestões emanadas do poder público, além das que a família já tem adotado ao longo da vida, para beneficiar o desenvolvimento da [mulher];

4 - Pretendem colaborar com todas as instâncias administrativas e judiciais, seja para que não remanesçam dúvidas sobre a situação de fato existente em relação a [mulher], seja para que as investigações avancem com brevidade a fim de permitir a retomada da convivência familiar. 

Florianópolis, 11 de junho de 2023".



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site