Jogos de pôquer

SEÇÕES

Brasileira denuncia importunação sexual em voo e é negligenciada

Carol Magalhães estava voltando de uma viagem de Dubai para São Paulo, quando percebeu que o homem ao seu lado realizava movimentos suspeitos.

Professora denuncia importunação sexual durante voo | Reprodução - Foto: Arquivo Pessoal
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Há alguns dias, no último domingo (20), a professora Carol Magalhães resolveu se manifestar em suas redes sociais sobre um caso de importunação sexual que sofreu durante um voo que realizava de Dubai para São Paulo. A professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), relatou tudo o que ocorreu em sua viagem enquanto retornava de um trabalho no Japão. O caso ocorreu no dia 08 deste mês. 

Em uma entrevista ao portal Universa.uol, Carol conta como tudo ocorreu. A mulher dividia uma fileira de três cadeiras com seu marido e o suspeito. O companheiro de Carol estava do lado da janela, ela no meio, e o acusado do lado do corredor."Ele estava todo coberto, assistindo a um filme, quando percebi que ele estava manuseando a genitália com movimentos verticais", afirma Carol, em entrevista.

A professora conta que, algum tempo depois observando o movimento, ela entendeu do que se tratava, e imediatamente contactou seu marido que estava em seu lado oposto, dormindo. Após pedir para o mesmo ver o que estava acontecendo, ele confirmou que o outro homem estava sim se masturbando ao lado de Carol.

Sem questionar ou chamar atenção do homem, a docente conta que o marido apenas se levantou e foi até uma comissária de bordo relatar o que estava acontecendo. Após perceber um certo movimento, o homem chegou a questionar Carol sobre do que se tratava, mas ela permaneceu calada de medo. Um tempo depois, a professora e o homem também se dirigiram até a comissária. "Ele se ajoelhou e disse que era cristão. Ele negou que estivesse se masturbando, disse que estava manipulando pílulas e mostrou duas pílulas azuis", relata a professora, indignada com a resposta do passageiro, e sem acreditar em sua desculpa.

Segundo Carol, após a pequena confusão no avião, a comissária acionou um superior para tratar melhor da situação. A educadora conta que quando o funcionário chegou e tudo foi relatado, ele não acreditou em sua versão e teria ainda dado a entender que a vítima de toda a situação não era Carol, e sim o passageiro."Disse que o rapaz se sentiu agredido por meu marido, que estava nervoso. Ele ainda perguntou ao homem se ele queria denunciar a gente para a polícia. Eu disse a ele: 'Depois do pesadelo que passei, você acolhe o rapaz? É isso mesmo?'", afirma a professora, com tristeza.

Após uma discussão o superior negligenciou a denúncia feita por Carol e seu marido, e ainda afirmou que o rapaz não estava mentido. O funcionário orientou ainda para que a educadora e seu marido mudassem de local, além de pedir para que o casal “não dirigisse a palavra ao passageiro”."Perdi minha estrutura de maneira física e psicológica. Entrei num quadro que nós mulheres sempre entramos quando somos duvidadas, um quadro de inércia, impotência, descredibilidade", lamenta.

Carol relata que sentiu a necessidade de deixar o assunto para trás e seguir adiante, mas depois de falar com sua filha e um amigo, optou por registrar oficialmente a queixa tanto na Polícia Civil de São Paulo quanto na Emirates diretamente. A Polícia Civil de São Paulo divulgou em um comunicado que o caso foi encaminhado à Polícia Federal para que as medidas apropriadas fossem tomadas.

Em um comunicado, a companhia aérea Emirates afirmou que em seus registros não existe nenhuma denúncia de importunação sexual. "A Emirates tem como prioridade a segurança e o bem-estar de seus passageiros e todos os membros de sua tripulação são treinados para lidar com qualquer forma de comportamento inadequado a bordo. Até o presente momento a Emirates não recebeu nenhum tipo de pedido da passageira ou das autoridades brasileiras, mas permanece à disposição para fornecer qualquer informação ou esclarecimento sobre os fatos alegados", consta em nota.

Leia Mais


Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site