Jogos de pôquer

SEÇÕES

CNI aponta o Piauí como líder para investimentos em energia eólica em alto mar

Litoral do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte são apontadas como regiões ideais para o negócio em formato offshore

CNI aponta o Piauí como líder para investimentos em energia eólica em alto mar | Divulgação/Beatrice Offshore Windfarm
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Segundo umapesquisa recentemente divulgada pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI) nesta terça-feira, o estado do Piauí se destaca como um polo atrativo para investimentos na área de energia eólica offshore, que envolve a implantação de turbinas dentro do mar. A região litorânea que abrange o Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte é apontada como uma zona repleta de oportunidades nesse setor, e o Piauí se destaca como o estado mais experiente na produção de energia limpa nesse contexto.

De acordo com informações fornecidas pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), cerca de 95% da capacidade energética do Piauí provém de fontes como ventos e luz solar. A energia eólica representa a maior parcela desse total, com impressionantes 68%, o que evidencia o potencial significativo do estado do Piauí nesse setor em crescimento, não apenas no Brasil, mas também em regiões da Europa, Ásia e América do Norte.

No Piauí, atualmente, quatro empreendimentos da chamada energia eólica offshore — com assinatura de empresas como a Ventos do Atlântico, Bosford Participações, Shell Brasil Petróleo e Equinor Brasil Energia — estão em processo de aprovação pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (IBAMA). Juntos, os projetos podem produzir até 7 mil MW.

Investidores já veem o potencial brasileiro no segmento de eólica offshore. Foram 78 pedidos de licenciamento até o dia 30 de agosto, com potencial de produção energética de até 189 GW, quase duplicando a capacidade de produção de energia instalada no país, que, hoje, é de 194 GW.

Em “Oportunidades e Desafios para Geração Eólica Offshore no Brasil e Produção de Hidrogênio de Baixo Carbono”, estudo do CNI que vai ser lançado em um evento pré-COP 28 em Brasília, são explanados os desafios e oportunidades apresentados pelo setor. A proposta é de uma revolução energética brasileira em um período onde o processo de descarbonização da produção de energia, para atenuar efeitos do aquecimento global, já é uma realidade mundial.

Em nível mundial, a energia eólica produzida com turbinas nos mares pode gerar até 260 GW até 2030, o que representa um investimento na ordem de mais de US$1 trilhão. Não muito distante desta realidade, o Piauí mostra liderança de vanguarda no setor.

(Com informações do Governo do Estado)



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site