Jogos de pôquer

SEÇÕES

Prejuízo com greve em SP passa de R$ 60 milhões, diz associação comercial

A estimativa de prejuízo se baseia no volume movimentado diariamente na Grande SP e é feita pelo IEGV/ACSP

Prejuízo com greve em SP passa de R$ 60 milhões, diz associação comercial | Rovena Rosa/Agência Brasil
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O comércio da região metropolitana de São Paulo pode ter um prejuízo acima de R$ 60 milhões com a greve desta terça (28), segundo estimativa da ACSP (Associação Comercial de São Paulo). A paralisação contra planos de privatização do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) e cortes no orçamento conta com a adesão de trabalhadores do Metrô, da CPTM, da Sabesp e da Fundação Casa, além de professores.

A estimativa de prejuízo se baseia no volume movimentado diariamente na Grande SP e é feita pelo IEGV/ACSP (Instituto de Economia Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo). De acordo com economistas do IEGV, o prejuízo se deve principalmente por redução nas compras imediatas dos consumidores e pela queda na movimentação do comércio referente às compras antecipadas de final de ano, além do impacto na força de trabalho das mais variadas operações comerciais.

"O comércio e o varejo, pilares fundamentais para a dinâmica da capital paulista, serão severamente prejudicados, comprometendo a sobrevivência de muitos empreendimentos, especialmente os pequenos e médios negócios", diz a associação. A ACSP afirma que repudia a greve, que chama de política.

"Este é um momento de bom senso e de responsabilidade de todas as partes envolvidas para evitar prejuízos irreparáveis à nossa querida São Paulo. Esta greve, infelizmente, se traduzirá em sérios impactos para o comércio e o varejo da cidade", afirma Roberto Ordine, presidente da ACSP.

Entre as pautas da paralisação está novamente a privatização da Sabesp e de outros setores, como no transporte sobre trilhos. Outras pautas relacionadas a decisões da gestão Tarcísio compõem os argumentos usados pelos trabalhadores para justificar a greve, tais como um corte de 5% no orçamento da educação, e o leilão da linha 7-rubi da CPTM, marcado para fevereiro de 2024.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou na manhã desta terça que a greve é ilegal. "Ato ilegal de um sindicato que insiste, inclusive, em não cumprir as determinações judiciais. A população de São Paulo refém, as pessoas querendo trabalhar, infelizmente, mais uma vez, nessa situação", disse. Uma decisão da Justiça determinou que a categoria deveria garantir a presença de 80% do contingente de funcionários nos horários de pico no Metrô, o que não ocorreu.

(Com informações da FolhaPress - Francisco Lima Neto)



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site