Jogos de pôquer

SEÇÕES

Gripe aviária mata lobos e leões-marinhos em praias no Sul do Brasil

O Ministério da Agricultura e Pecuária, responsável por coordenar as medidas contra a gripe aviária, está tomando medidas de biossegurança em granjas comerciais

Gripe aviária chega as praias do Sul | Andreia Schwingel
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O vírus altamente patogênico da gripe aviária (IAAP/H5N1) que representa uma ameaça tanto para a avicultura quanto para a saúde humana atingiu as praias do Sul do país. Esta cepa do vírus tem causado a maior taxa de mortalidade já registrada entre leões e lobos marinhos no Brasil. Desde 1º de outubro até ontem, cientistas contabilizaram 548 animais mortos ao longo do litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 

O Ministério da Agricultura e Pecuária, responsável por coordenar as medidas contra a gripe aviária, está tomando medidas de biossegurança em granjas comerciais e implementando vigilância sanitária, investigando novos casos em aves e outros animais. A estratégia principal é identificar e enterrar os corpos dos animais mortos o mais rápido possível.

Desde 15 de maio, o ministério registrou134 surtos de influenza H5N1 em animais domésticos e selvagens, sendo que cada surto pode envolver um ou mais casos. Especialistas em pinípedes, que incluem lobos e leões-marinhos, estão impressionados com a devastação. Larissa de Oliveira, professora do Laboratório de Ecologia de Mamíferos da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), que estuda essas espécies há três décadas, destaca que a população estimada no Brasil, em colônias em terra, varia entre 500 e 800 animais, sem contar os que permanecem no mar.

Leia Mais

O tamanho da destruição está deixando os especialistas em pinípedes (um grupo de animais que abrange lobos e leões-marinhos) perplexos. Larissa de Oliveira, pesquisadora dessas espécies há três décadas e professora no Laboratório de Ecologia de Mamíferos da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), ressalta que a população estimada no Brasil, nas colônias em terra, varia de 500 a 800 animais. É importante notar que essa contagem não inclui os que habitam o mar.

— Nunca pensamos em ver algo assim, uma devastação. Os lobos e leões têm se mostrado extremamente suscetíveis, e é importante conter o vírus. A população precisa saber como proceder —disse.

Especialistas e autoridades de saúde estão aconselhando a população a manter distância e a não interagir de forma alguma com animais marinhos, estejam eles mortos ou vivos, independentemente de apresentarem sintomas de doença. Além disso, estão pedindo às pessoas para evitar que cães e outros animais de estimação se aproximem de aves, lobos e leões-marinhos, pois há o risco de contágio. Jeferson Pires, coordenador do Centro de Recuperação de Animais Silvestres da Estácio Vargem Pequena, no Rio de Janeiro, enfatiza a importância de relatar imediatamente qualquer caso suspeito às autoridades de saúde animal.

— Em qualquer lugar do país, ao se encontrar um animal com sintomas de doença, não se deve tentar resgatá-lo, mas chamar o serviço veterinário oficial — recomenda Pires.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site