Jogos de pôquer

SEÇÕES

Desigualdades persistem no país, mas consciência racial cresce, indica Censo 2022

Pretos e pardos são maioria da população do Brasil, mas indicadores de renda, trabalho e educação apontam permanência da desigualdade racial

Mulheres com turbantes em evento de comemoração ao Dia da Consciência Negra, no Rio de Janeiro | Fernando Frazão/Agência Brasil
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Os dados do Censo 2022, divulgados pelo IBGE na sexta-feira (22), evidenciam o aumento da população que se autodeclara não branca no Brasil, comparado a 2010. Ospardos passaram a ser o maior grupo racial do Brasil, 45,3% da população. Os brancos caíram e hoje são 43,5%; em 2010, eram 47,7%. Os pretos cresceram e passaram a ser 10,2% da população, ante 7,6% em 2010. Os indígenas agora são 1,7 milhão, ou 0,8% ante 0,5% em 2010. Os amarelos caíram de 1,1% para 0,4% da população.

Conforme apontado pelo IBGE, a transformação no perfil racial do Brasil, conforme revelado pelo Censo, reflete uma crescente conscientização racial na população do país. No entanto, indicadores relacionados a renda, emprego e educação destacam que a desigualdade racial ainda persiste.

Pretos e pardos continuam enfrentando maior impacto do desemprego e recebem salários mais baixos por hora trabalhada, evidenciando disparidades. Além disso, entre aqueles que não podem se dedicar aos estudos (ou ao trabalho) devido às responsabilidades com a casa ou familiares, as mulheres pretas ou pardas representam a maioria.

DESEMPREGO MAIOR

A disparidade no desemprego é mais pronunciada entre pretos e pardos em comparação com brancos, conforme os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua. Em 2022, a taxa média nacional de desemprego foi registrada em 9,3%, mas as taxas de desocupação por cor ou raça divergiram, sendo inferior à média nacional para os brancos (7,6%) e superior para os pretos e pardos (11,1%). Essa disparidade persiste desde 2012, quando se iniciou a série histórica da pesquisa. Naquele ano, a taxa de desemprego nacional foi de 7,4%, enquanto para pretos e pardos foi de 8,6%, e para brancos, 6,1%.

RENDA E TRABALHO

Conforme apontado pela Síntese de Indicadores Sociais (SIS) do IBGE, em 2022, profissionais brancos receberam, em média, 61,4% a mais por hora trabalhada em comparação com pretos e pardos, considerando todos os níveis de instrução. A média geral foi de R$ 20 por hora para brancos e de R$ 12,40 para pretos e pardos. A disparidade é mais acentuada entre aqueles com nível superior completo, onde os brancos alcançam R$ 35,30 por hora, enquanto os pretos e pardos recebem R$ 25,70. Ao longo de uma década, a diferença na remuneração por hora trabalhada teve pouca variação. Em 2012, a média era de R$ 20,10 para brancos e R$ 11,80 para pretos e pardos.

Em 2022, as mulheres pretas ou pardas compreendem 41,3% da população em situação de pobreza no país e 8,1% daqueles classificados como extremamente pobres. Segundo a definição do IBGE, são consideradas em situação de pobreza aquelas que vivem com até R$ 637 por mês, enquanto as em extrema pobreza são as que sobrevivem com menos de R$ 200 por mês. A taxa geral de pessoas pretas ou pardas em condição de pobreza (40%) é o dobro da taxa da população branca (21%), refletindo uma disparidade significativa. Similarmente, a diferença é notável entre os extremamente pobres, registrando 7,7% para a população preta ou parda em comparação com 3,5% para a população branca.

TRABALHO INFANTIL

Em 2022, os dados da Pnad Contínua indicaram a presença de 1,9 milhão de crianças e adolescentes, com idades entre 5 e 17 anos, em situação de trabalho infantil no Brasil, representando 4,9% dessa faixa etária. A proporção de crianças pretas ou pardas envolvidas em trabalho infantil é significativamente mais alta, atingindo 66,3%, em comparação com sua representação total na população de crianças e adolescentes, que é de 58,8%. Por outro lado, a proporção de brancos envolvidos em trabalho infantil é menor, registrando 33%, em contraste com a sua participação total na faixa etária, que é de 40,3%. Em 2016, ano inicial da série histórica da PNAD Contínua, 68,4% das crianças e adolescentes envolvidos em trabalho infantil eram pretos ou pardos, enquanto 31% eram brancos.

VIOLÊNCIA

Conforme dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), a maioria das vítimas de mortes violentas no Brasil em 2022 consiste em homens negros, totalizando 76,9% dos 47,4 mil óbitos registrados. Adicionalmente, homens negros representam 83,1% das vítimas de mortes resultantes de intervenções policiais.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site