Jogos de pôquer

SEÇÕES

Calor que estamos vivendo agora estava previsto apenas para 2027, diz climatologista

Quanto ao futuro da Amazônia, Nobre afirma que, com 20% da floresta já desmatada, atingir 25% e um aumento de 2°C a 2,5°C pode levar a um processo irreversível de destruição

Calor que estamos vivendo agora estava previsto apenas para 2027 | Telemadri
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Diante dos efeitos assustadores e mortais das mudanças climáticas globais, Carlos Nobre, Copresidente do Painel Científico para a Amazônia, alertou que este ano as mudanças climáticas desencadearam desastres globais que podem se intensificar nos próximos anos. Em entrevista ao jornal O Globo ele afirmou que o calor que estamos enfrentando agora estava previsto para o ano de 2027.

O Acordo de Paris busca limitar o aumento da temperatura em 1,5°C; no entanto, a iminente COP-28 em Dubai não oferece perspectivas de alcançar essa meta. Nobre explicou que esse aumento, apesar de parecer pequeno, representa uma brutalidade ao considerar a média global da Terra.

"Este ano, estamos 1,4°C acima da média global de 1850, sendo impactados por temperaturas superiores a 40°C. 'Imagine ainda mais quente.' O IPCC alerta sobre a possibilidade de atingirmos 4°C até o fim do século, tornando cidades tropicais e subtropicais inabitáveis," destacou Carlos Nobre.

Conforme o climatologista, o Rio teria mais de 300 dias por ano acima do limite de temperatura tolerável pelo ser humano, resultando em condições mortais, principalmente para idosos, bebês e jovens saudáveis.

"Nosso corpo não evoluiu para se adaptar a isso," disse. O climatologista chama a atenção para a gravidade das consequências e pede a adoção urgente de ações para reduzir as emissões de gases que estão sufocando o planeta.

Quanto ao El Niño deste ano, Nobre esclarece que, embora seja forte, não é tão intenso quanto em 1997 ou 2015-16. Ele destaca o desequilíbrio climático global, com eventos extremos como ciclones, incêndios e calor recorde, indicando uma luta entre forças climáticas planetárias.

"Estamos no meio de uma queda de braço de forças climáticas planetárias," disse. Ele chama a atenção para a complexidade do cenário atual e a influência de diversas forças no clima.

Ao abordar a urgência de reduzir emissões, Nobre ressalta que os extremos previstos para 2027 já se manifestam de maneira mais rápida, tornando este ano o mais quente desde 1850, com impactos que remontam a 125 mil anos.

"São necessárias medidas imediatas para conter as emissões e reverter esse quadro." Nobre enfatiza a importância de ações concretas diante da aceleração das mudanças climáticas.

Sobre a possibilidade de outra onda de calor como a da semana passada, Nobre antecipa a probabilidade de altas temperaturas, salientando a dependência da umidade no verão. Ele alerta sobre a repetição de condições adversas, como o sistema de alta pressão de 2014 e 2015.

"Certamente teremos muito calor. A não ser que tenhamos de novo um sistema de alta pressão como o de 2014 e 2015, que deixou o Sudeste por mais de 40 dias sem chuva em pleno verão."

A seca na Bacia do Rio Negro é apontada como a pior da história, prevendo-se sua expansão pelo Sul, Sudoeste e Leste da Amazônia. A redução expressiva do desmatamento este ano, embora positiva, não elimina o risco, pois a floresta, uma "usina de umidade," está enfraquecendo.

"'O desmatamento tem que ser zero. A floresta é uma usina de umidade, mas essa usina está cada vez mais fraca', falou Carlos Nobre." Ele destaca a importância da preservação da floresta como um regulador essencial do clima global.

Quanto ao futuro da Amazônia, Nobre afirma que, com 20% da floresta já desmatada, atingir 25% e um aumento de 2°C a 2,5°C pode levar a um processo irreversível de destruição. Ele destaca a mudança na capacidade da floresta de absorver CO2, agora emitindo no Sul da Amazônia devido ao desmatamento.

"Cerca de 20% da floresta já foi desmatada. Se chegarmos a 25% e a temperatura global se tornar de 2°C a 2,5°C mais alta, ela entrará num processo de destruição sem volta. As florestas hoje removem cerca de 33% do CO2. Mas no Sul da Amazônia, devido ao desmatamento, ela passou a emitir em vez de absorver CO2," disse.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site