Jogos de pôquer

SEÇÕES

Argentina vence a Nigéria e vai pegar a França nas oitavas

O jogo teve o primeiro gol de Lionel Messi nesta edição do torneio

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

AArgentina sofreu, mas está nas oitavas. Ao vencer a Nigéria por 2 a 1 nesta terça-feira (26), em São Petersburgo, a seleção de Jorge Sampaoli garantiu vaga na próxima fase da Copa do Mundo, na qual enfrentará a França. O jogo teve o primeiro gol de Lionel Messi nesta edição do torneio. Moses empatou em cobrança de pênalti, mas Rojo selou a vitória com um golaço nos minutos finais.

O time alviceleste confirmou a classificação ao deixar de lado sua própria limitação, que gira em torno da grande dependência por Messi e da esperança de que o craque resolva tudo. O sofrido gol de Rojo fez explodir o choro dos jogadores argentinos, como Di María, e expôs que a equipe terá de evoluir técnica e emocionalmente no mata-mata.

Mas, para garantir a vaga, o time sul-americano não só precisou triunfar em uma partida extremamente dramática, como também contou com a vitória da Croácia por 2 a 1 sobre a Islândia, em partida que ocorreu no mesmo horário. Os croatas, que já estavam garantidos nas oitavas, vão encarar a Dinamarca.

A Argentina esteve perto de viver o drama que enfrentou na Copa do Mundo de 2002, quando foi eliminada na primeira fase. Curiosamente, a Nigéria estava no mesmo grupo naquele ano e caiu junto com o seu algoz de 2018.


O melhor: Messi

Messi não joga sozinho e nem deveria, mas sua redenção, enfim, veio. Ele esteve em todos os lugares do gramado nesta terça e trabalhou relativamente bem até na defesa, como no corte que fez aos 40 do primeiro tempo. 

Mas o principal setor do campo em que ele se fez presente e deixou sua marca foi no gol. Aos 14 minutos do primeiro tempo, aproveitou belo passe de Banega para tocar na saída do goleiro nigeriano e marcar o seu primeiro tento nesta Copa, o 100º do Mundial da Rússia.

Quase fez mais. Aos 33, o camisa 10 cobrou falta sofrida por Di María e acertou a trave esquerda de Uzoho. Cinco minutos depois, Messi tabelou com Higuain e parecia ter condições de chutar, mas preferiu tocar para Di María, que não  não tinha tanto ângulo assim. 

 O pior: Mascherano.

A Argentina ia vencendo por 1 a 0 de maneira confiante até os cinco do segundo tempo, quando Mascherano decidiu acrescentar uma dose extra de tensão e cometeu pênalti sobre Balogun. O árbitro turco nem mesmo precisou do suporte do árbitro de vídeo para apitar a infração. Moses, tranquilo, converteu a cobrança.

Esta não foi a primeira vez que o jogador do Hebei Fortune, da China, se atrapalhou na defesa. Aos 12 do primeiro tempo, Mascherano fez um péssimo passe no campo da Nigéria e só não deu uma chance de gol aos adversários porque correu a tempo para recuperar a bola.

Messi + 10. Até o gol de Rojo

Condenado pelo desempenho da equipe nos dois primeiros jogos, Jorge Sampaoli decidiu moldar a escalação para que o time jogasse em função de Messi. O problema é que esta decisão é uma faca de dois gumes. Por um lado, o craque teve maior chance de decidir, mas o time esteve mais dependente dele.

A Argentina só se libertou de suas próprias limitações aos 41 do segundo tempo, em jogada totalmente criada por defensores. O zagueiro Rojo aproveitou um cruzamento do lateral Mercado e fez o golaço da vitória e da classificação.

Dentre as mudanças, os destaques negativos e positivos foram as entradas de Higuain e Banega. O segundo parece não ser o preferido de Sampaoli, mas foi dele o grande passe para Messi marcar, em lance que ilustra bem a estratégia de jogar pelo camisa 10.

Higuain, por outro lado, foi destaque negativo por uma atuação apagada e mais gols perdidos com a camisa da seleção. Aos 26 do primeiro tempo, recebeu ótimo passe de Messi e chutou em cima do goleiro. Aos 35 do segundo, errou de novo.

O emocional deu trabalho a todos

Depois de se mostrar mais tranquila em campo nos primeiros 10 minutos, a Nigéria sofreu o gol aos 14 do primeiro tempo e desandou. Difícil dizer se os africanos se assustaram ou se foram os argentinos que ganharam confiança.

A seleção de Sampaoli passou a marcar os adversários na saída de bola. Os nigerianos, por outro lado, erravam passes simples.  No entanto, é importante dizer que o time reclamou de pênalti aos 44 do primeiro tempo, quando Iheanacho foi atingido no rosto pela canela de Rojo. Nada foi apitado.

A etapa final inverteu completamente o fator emocional. Com o pênalti cometido por Mascherano logo aos cinco do segundo tempo, foi a Argentina que falhou em toques simples. Na defesa, Otamendi comprometia; no ataque, Di María não criava.

Foi no coração que a seleção alviceleste conquistou a vaga nas oitavas, em um estádio lotado e completamente pautado pela tensão. Nos últimos 10 minutos de jogo, já não havia mais sistema tático. Não havia nada além de um grupo de jogadores de azul e branco partindo em desespero para o gol.

Metade dos gols de Messi em Copas

Contando o gol que fez nesta terça, o único de 2006 e os quatro que marcou em 2014, Messi tem seis gols em Copas do Mundo. Três foram marcados contra a Nigéria; ou seja, 50% do total de gols do craque no torneio foram feitos contra o adversário desta tarde.

Antes desta terça-feira, as duas seleções tinham se enfrentado quatro vezes em Copas, com quatro vitórias argentinas:  2 a 1 em 1994, 1 a 0 em 2002 (ano em que ambas caíram na primeira fase), 1 a 0 em 2010, e 3 a 2 em 2014.

Argentina mais velha da história

Com média de idade de 30 anos e 190 dias, a Argentina levou a campo o time titular mais velho de sua história na Copa do Mundo. A seleção sul-americana nunca havia entrado em campo com atletas mais experientes que os que jogaram nesta terça-feira.

FICHA TÉCNICA NIGÉRIA 1 X 2 ARGENTINA

Data e hora: 26 de junho de 2018, às 15h

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo (Rússia)

Árbitro: Cuneyt Cakir (Turquia)

Auxiliares: Bahattin Duran e Tarik Ongun (ambos da Turquia)

Cartões amarelos: Balogun (Nigéria); Mascherano, Banega (Argentina)

Gols: Moses, aos cinco minutos do segundo tempo (Nigéria); Messi, aos 14 minutos do primeiro tempo, e Rojo, aos 41 do segundo tempo (Argentina).

NIGÉRIA: Uzoho; Balogun, Ekong e Omeruo (Iwobi); Etebo, Mikel, Ndidi, Moses e Idowuç; Musa (Nwankwo) e Iheanacho (Ighalo) Técnico: Gernot Rohr

ARGENTINA: Armani; Mercado, Otamendi, Marcos Rojo e Tagliafico (Aguero); Mascherano, Banega, Pérez (Pavón) e Di María (Meza); Messi e Higuain Técnico: Jorge Sampaoli.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site