Jogos de pôquer

SEÇÕES

José Osmando

Coluna do jornalista José Osmando - Brasil em Pauta

Petróleo e gás batem recorde e Petrobrás volta aos investimentos

A produção de petróleo foi superior em 6,1% se comparada ao mês anterior e de 16,7% na comparação com setembro de 2022.

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O mais recente balanço da Petrobrás, divulgado semana passada, mostra que a estatal brasileira volta a bater recorde de produção de petróleo e gás, gerando um total de 4,666 milhões de barris de óleo equivalentes por dia. Os dados consolidados referem-se ao mês de setembro de 2023. A produção de petróleo foi superior em 6,1% se comparada ao mês anterior e de 16,7% na comparação com setembro de 2022.

Já a produção de gás natural em setembro foi de 157,99 milhões de metros cúbicos por dia, um crescimento de 6,9% comparada ao mês anterior e de 10,4% na comparação com o mês de setembro do ano passado. Essa produção de gás foi até hoje o maior volume, superando até mesmo o mês de julho de 2023, quando já havia batido recorde.

Nesse cenário positivo de crescimento da produção, merece destaque o desempenho registrado no pré-sal, alcançando-se 3,594 milhões de barris de óleo, o equivalente a 77% de toda a produção brasileira. Foi a maior produção verificada até hoje, superando também a do mês de julho de 2023, que já havia sido a mais significativa. No caso do pré-sal, o aumento da produção, nos seus 144 poços em atividade, em relação ao mês anterior,foi de 9,5% e de 19,8% na comparação ao mês de setembro de 2022.  

Em setembro, os campos marítimos produziram 97,6% do petróleo e 87,2% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras, sozinha ou em consórcio com outras empresas, foram responsáveis por 89,02% do total produzido. A produção teve origem em 6.284 poços, sendo 520 marítimos e 5.764 terrestres.

Outra informação importante, que demonstra evolução técnica da Petrobrás relativamente ao aproveitamento do gás produzido, é que foi atingida a marca de 97,9% de utilização, uma elevação significativa em relação às perdas. 

APetrobrás, que nesse mês de outubro passado completou 70 anos de fundação, dá claros sinais de que voltou ao protagonismo de ser a maior estatal brasileira, pioneira exemplar na exploração de gás e petróleo nas profundezas do mar e de ter inventado, com sucesso pleno, graças a seu elevado padrão tecnológico e científico, a exploração no pré-sal. E isso ocorre imediatamente depois de a empresa ter sofrido um brutal processo de desgaste, de tentativa de desmonte, causada pelos protagonistas da operação lava jato. 

Para alcançar essa performance que agora se observa, a Petrobrás voltou a fazer grandes investimentos, recuperando campos de exploração paralisados, aplicando grandes somas em ciência, pesquisa e tecnologia e colocando os pés e as mãos, de forma definitiva, no controle das operações em mar e no pré-sal. 

No mês passado, ao celebrar os 70 Anos da empresa num evento com funcionários da estatal na Bahia, o presidente da empresa, Jean Paul Prates, anunciou que a Petrobrás está fazendo, somente em campos baianos, um investimento de R$ 3,5 bilhões, voltando-se para a exploração de novas matrizes energéticas. Essa política de elevação de investimentos contrasta, aliás, com a prática adotada pelo governo Bolsonaro, que entregou para investidores árabes a refinaria baiana Landulpho Alves ( que foi a primeira refinaria montada no Brasil), vendida a preço de banana, por cerca de um terço do valor de mercado, logo após o ex-presidente brasileiro voltar de uma de suas muitas viagens ao Oriente Médio. 

A nova gestão da Petrobrás montou um plano estratégico para atuação entre 2024 a 2028, voltando-se para o desenvolvimento de estudos para o domínio das energias renováveis, cujo objetivo maior será alcançar êxito na obtenção do Hidrogênio Verde, o combustível limpo do futuro, que tem sido um desejo amplamente revelado pelo Presidente Lula. 

O presidente daPetrobrástem dito que a empresa começa a se voltar para uma atuação mais dinâmica no Norte e Nordeste do Brasil, com expressivos investimentos, rompendo um ciclo no qual o governo passado jogou ao esquecimento áreas importantes, no seu afã de tornar a empresa restrita ao Rio e São Paulo, limitada ao eixo sul-sudeste, facilitando, assim,  sua entrega ao capital estrangeiro, como fez com vários ativos valorosos da companhia. 

Assumindo a posição pessoal e política adotada por Lula, Prates vem assegurando que a Petrobrás é essencial para a transição energética. Para isso, contudo, é necessário continuar explorando petróleo e gás, para melhorar o caixa da empresa, que foi dilapidado no governo passado, para daí voltar-se, como começa a fazer, para a exploração de energia eólica e solar, até chegar ao hidrogênio verde.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site

1234