Jogos de pôquer

SEÇÕES

José Osmando

Coluna do jornalista José Osmando - Brasil em Pauta

Crime multinacional transforma a Amazônia no paraíso do Narcotráfico

O que vem acontecendo na Amazônia, com o ápice de invasão criminosa a partir de 2019, é um fenômeno apontado como “narcodesmatamento“

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O escritório da ONU sobre drogas e crimes, Unodc, incluiu em seu último relatório um capítulo específico sobre a Amazônia, tal é a preocupação que essa imensa região ecologicamente significativa para o Planeta passou a ocupar na mente das autoridades, transformando-se num imenso desafio para a segurança e a lei. De santuário ecológico de alta relevância para o mundo, a Amazônia tornou-se um ecossistema de negócios ilícitos, com domínio do narcotráfico, exploração de ouro e madeira de maneira absolutamente ilegal, comércio clandestino de armas de fogo, pesca proibida, expulsão dos povos nativos de suas áreas, com a morte de centenas deles, e devastação de florestas para servir à agropecuária.

O que vem acontecendo na Amazônia, com o ápice de invasão criminosa a partir de 2019, é um fenômeno apontado como “narcodesmatamento”, conforme está contido no relatório da ONU sobre droga e crime. A droga em si não derruba árvores. Mas é ela quem vem financiando aqueles que promovem e executam a derrubada de nossas florestas, fazendo da região uma teia criminal que ameaça o meio ambiente e infelicita as populações locais, não apenas no Brasil, mas em todos os demais países que integram esse rico ambiente.

CRIME ORGANIZADO INTERNACIONAL

Uma investigação jornalística que a revista brasileira “Carta Capital” trouxe neste fim de semana, com profundidade de dados, é bastante elucidativa sobre o que de fato vem ocorrendo na Amazônia, mostrando que em razão do papel central na produção de cocaína e a abundância de terras e recursos naturais, a Amazônia tem hoje , sem qualquer dúvida, uma das mais densas concentrações de grupos do crime organizado internacional, contando-se ao menos 30 deles com atuação multinacional, com destaque para PCC (SP), Comando Vermelho (Rio) e dissidentes dos guerrilheiros colombianos FARC e Trem de Arágua, da Venezuela.

O relatório do Unodc descreve que a floresta amazônica está na intersecção de múltiplas formas de crime organizado, que aceleram a devastação e degradação do meio ambiente, com muitas implicações em termos de segurança pública, de saúde coletiva, mantendo uma cadeia de impactos negativos sobre as populações e levando drogas pesadas, cada vez de forma mais frequente, aos centros urbanos do país e do exterior. A região, além da vasta cobertura vegetal e de extensas áreas territoriais, historicamente sempre favoreceu o crime em razão de pouca estrutura de segurança e deslocamento e de uma nítida ausência do Estado.

TRÁFICO DE PESSOAS

Ainda conforme o relatório Unodc, o tráfico de drogas está trazendo junto uma outra ação criminosa gravíssima, o tráfico de pessoas, que já movimenta bilhões de dólares por ano em todo o mundo. As vítimas são utilizadas na exploração sexual, no trabalho escravo ou inseridas no mercado ilegal de compra e venda de órgãos e tecidos humanos. Essa é uma atividade relativamente nova na sua forma de organização junto ao narcotráfico, mas que já movimenta algo em torno de US$ 32 bilhões opor ano.

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública dão conta de que 40% de toda a cocaína produzida no mundo já provém dos países amazônicos, com importante passagem pelo Brasil, através do Estado do Pará, daí espalhando-se para o resto do país e para o exterior. Tais constatações, e a necessidade de que essa imensa onda criminosa possa ser contida, tem levado as autoridades brasileiras e tomar a iniciativa de montar um comando conjunto de ações de segurança com os demais países que integram a Amazônia (Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Venezuela e Suriname).

CENTRO DE COOPERAÇÃO

No Fórum da Amazônia, realizado em Belém na primeira dezena de agosto, os dirigentes de todos os países integrantes firmaram o compromisso de ações conjuntas, permanentes e consistentes nas questões ligadas ao desenvolvimento da região, mas com enfoque especial no tema segurança e na preocupação com essa crescente invasão do narcotráfico. É dentro dessa visão conjunta que a Polícia Federal, em cooperação com outros organismos, está instalando o Centro de Cooperação Policial Internacional da Amazônia, onde trabalharão em parceria agentes dos nove Estados brasileiros abrangidos pela floresta e integrantes de organismos de segurança e inteligência de outros países, inclusive da Interpol.

A estrutura que está sendo montada contará com ao menos 45 servidores específicos para essas missões, e uma base para aviões e helicópteros. A ideia foi aprovada durante o Fórum de Belém e já está em processo de montagem. Esse centro de operações terá a missão de operacionalizar trocas de informações e realizar atuações conjuntas no combate ao narcotráfico.

O mais surpreendente e inaceitável diante de um quadro grave como este, é ver o Senado Federal, numa afronta escancarada ao Supremo Tribunal Federal, aprovar o deplorável Marco Temporal das terras indígenas, tirando dos nossos povos originários o direito a ficar no solo em que nasceram. Além de ignorar que o STF tornou essa pretensão inconstitucional, numa votação de 9X2, os senadores que se colocam contrários à decisão da Suprema Corte estão dizendo claramente que se colocam do lado dos que destroem a Amazônia e favorecem o crime organizado nessas terras que os indígenas sempre protegeram.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site

1234