Jogos de pôquer

SEÇÕES

NOVA FEBRE: Remédio de diabetes para emagrecer pode ter efeitos colaterais?

A procura desenfreada tem afetado inclusive pacientes com diabetes, que não conseguem encontrar o medicamento nas farmácias

A busca desenfreada fez o remédio desaparecer das prateleiras e virar assunto nos principais jornais | Reprodução: Internet
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Devido à alta procura, o remédio Ozemplicestá em falta nas farmácias do Brasil. Desenvolvido pela farmacêutica Novo Nordisk, o medicamento é prescrito para o tratamento de diabetes tipo 2, mas é também usado, de forma off label — fora da bula —, para obesidade e perda de peso. Este segundo tipo de prescrição não é endossado pela empresa. A ‘febre’ do uso do Ozempic, no entanto, não é exclusividade do Brasil. Nos Estados Unidos e na Austrália, a busca desenfreada fez o remédio desaparecer das prateleiras e virar assunto nos principais jornais.

O remédio tem como princípio ativo a semaglutida, um hormônio sintético que ajuda a controlar os níveis de glicose no sangue e sinaliza ao cérebro a sensação de saciedade. Isso porque ele simula os efeitos doGLP-1 — um hormônio natural que é produzido no intestino. O endocrinologista Paulo Rosenbaum, do Hospital Israelita Albert Einstein, explica que o uso do medicamento contra obesidade é seguro e já foi longamente estudado por cientistas. No entanto, o tratamento precisa ter acompanhamento médico para ser seguro.

Se bem indicados, os remédios à base de semaglutida são uma revolução na área da endocrinologia. Mas essa procura atual pelo Ozempic é perigosa porque, por mais que seja um medicamento seguro, ele não pode ser usado sem acompanhamento”, afirma Rosenbaum.  O especialista explica que efeitos colaterais para cerca de 10% dos pacientes não cessam, e é preciso buscar outras alternativas. “As pesquisas mostram que cerca de 10% dos pacientes podem ter mais efeito colateral e, às vezes, não vão conseguir tolerar o remédio. Por isso é importante ter um acompanhamento médico. A grande maioria tolera bem, tem efeitos colaterais, mas são transitórios, que depois de um ou dois meses vão diminuindo”, explica o endocrinologista.

A gerente médica do laboratório Novo Nordisk, que fabrica o Ozempic, Tássia Gomide Braga, também ressalta que os efeitos colaterais são mais comuns no início do tratamento. A endocrinologista lembra que, por enquanto, o medicamento é aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas para diabetes – a prescrição para perda de peso é off-label, ou seja, feita por conta e risco do médico responsável. Ela também explica que os efeitos adversos costumam ocorrer durante o início do uso da medicação ou quando há aumento na dose da medicação. “O paciente deve buscar junto ao seu médico orientações para minimizá-los”, afirma Braga.

Perigos do uso indiscriminado do medicamento

O uso do Ozempic sem acompanhamento médico preocupa entidades e especialistas da área. Em janeiro, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) emitiu uma nota alertando que, assim como qualquer outro medicamento, a semaglutida “precisa de acompanhamento médico e só deve ser utilizada sob prescrição”. A procura desenfreada tem afetado inclusive pacientes com diabetes, que não conseguem encontrar o medicamento nas farmácias de São Paulo. “Está faltando remédio para quem precisa, para quem tem diabetes, e isso é uma pena. Com essa moda das redes sociais, ficou essa loucura. Tem gente que nem deveria usar o Ozempic e fica usando com todos esses efeitos colaterais, e falta para quem deveria tomar”, avalia Rosenbaum. 

Efeito rebote

Um dos riscos do uso indiscriminado é o chamado efeito rebote, que ocorre quando o peso perdido durante o tratamento é recuperado quando o paciente deixa de usar o remédio. Em alguns casos, o ganho de peso é até maior do que o que foi perdido anteriormente. “Quando você usa sem orientação você pode ter um efeito rebote, um ganho de peso fora do comum, especialmente quando o uso é interrompido sem um plano de ação”, explica Rosenbaum. “Se a pessoa não modificar o estilo de vida, não fizer exercício, ela vai engordar tudo de novo quando parar a medicação”, completa o endocrinologista. Para evitar engordar novamente, os especialistas recomendam que a interrupção da medicação seja feita de forma gradual e, é claro, acompanhada por mudanças na dieta e exercícios físicos regulares.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
Jogos de pôquer Mapa do site